Quem Foi Benjamin Graham – o Investidor Inteligente

Benjamin Graham foi considerado o Einstein dos investimentos e para muitos, o precursor da famosa estratégia buy and hold de investimentos no mercado acionário.

Graham foi um investidor influente cuja pesquisa em valores mobiliários lançou as bases para uma avaliação fundamentalista usada hoje na análise de ações por todos os participantes do mercado.

Seu famoso livro, O Investidor Inteligente, ganhou reconhecimento como o trabalho fundamental no value investing. 

Benjamin Graham e o Investimento de Valor

Benjamin Graham foi um economista norte-americano, investidor profissional e é considerado o pai do “value investing“. Seu famoso livro, O Investidor Inteligente, ganhou reconhecimento mundial como o trabalho base do value investing.

Graham começou a ensinar esta abordagem de investimento na Columbia Business School em 1928, e publicou vários livros (com David Dodd) sobre o assunto. Os mais conhecidos foram Security Analysis (1934) e The Intelligent Investor (1949). Enquanto Graham teve muitos discípulos, os mais conhecidos foram John Templeton e Warren Buffett.

Uma abordagem sobre investimento de valor

Através de seus escritos, Graham começou a traçar as diferenças entre investir e especular. Sua nova abordagem de investimento, exigia a compra de ações em empresas cujo valor de mercado estava bem abaixo do valor intrínseco.

Graham incentivou os investidores a considerar o investimento em ações como realmente é – parte da propriedade de uma empresa e não se preocupar com flutuações de preços a curto prazo. Com esta visão, o investidor entende que o mercado de ações se comporta de uma maneira no curto prazo e de outra no longo prazo.

Os conceitos abordados por Graham sobre value investing, enfatizam 4 pontos importantes na análise de investimentos;

  • Valor Intrínseco
  • Margem de Segurança
  • Senhor Mercado
  • Diversificação

O que é Value Investing – Investimento de Valor

O investimento em valor é uma estratégia simples, porém eficiente. É baseada no princípio de que o mercado de ações não funciona de forma eficiente, resultando em muitos ativos sobrevalorizados ou subvalorizados.

Uma ação subvalorizada, significa que o ativo é negociado a um preço bastante inferior ao seu valor intrínseco. Portanto, esta estratégia se concentra na compra de ações a um preço inferior ao seu valor real, acreditando que o mercado as reavalie no futuro e que o preço suba para refletir seu valor real.

Se os fundamentos são sólidos, mas o preço das ações está abaixo de seu valor aparente, o investidor de valor sabe que este é um provável candidato a investimento, porque o mercado valorizou as ações de forma incorreta. Quando o mercado corrige esse erro, o preço da ação deve sofrer um aumento.

O value investing está mais relacionado com os fundamentos dos negócios de uma empresa, do que com o preço de suas ações ou fatores de mercado que afetam seu preço.

Princípios do investimento em valor

Quanto maior for a diferença entre o valor intrínseco e o preço atual das ações, maior será a margem de segurança para os investidores que buscam oportunidades de investimento.

Como nem todo investimento de valor vai se transformar em negócios rentáveis, essa margem de segurança é importante para que os investidores de valor diminuam suas perdas quando estiverem errados sobre uma empresa.

“Há muito tempo, Ben Graham me ensinou que preço é o que você paga, valor é o que você recebe. Tanto faz se estamos falando de meias ou de ações, gosto de comprar mercadorias de qualidade, quando o mercado está para baixo”. – Warren Buffett, em sua carta ao Presidente da Berkshire Hathaway de 2008.

Value investing funciona?

O investimento de valor funciona porque “força” os investidores a fazer o que não é natural: comprar baixo e vender alto.

Grandes investidores, incluindo Warren Buffett, Benjamin Graham, John Templeton e outros, acumularam suas fortunas seguindo este princípio.  Eles só compraram ações quando estavam subvalorizadas e venderam ou reduziram posições quando se tornaram supervalorizadas.

Critérios para avaliar ações de empresas;

  • Empresas bem estabelecidas e com longo histórico de sucesso.
  • Rentabilidade consistente nos negócios.
  • Fluxos de receita estáveis, sem grande crescimento, mas também sem grandes contrações nas vendas.
  • Pagamento de dividendos, embora o pagamento de um dividendo não seja um requisito para se qualificar como uma ação de valor

Benjamin Graham – O que é o valor intrínseco de uma ação

Valor intrínseco é o valor previsto ou calculado de uma empresa, ação, moeda ou produto, determinado através de análise fundamentalista. O valor intrínseco também é chamado de valor real e pode ou não ser o mesmo que o valor de mercado atual. Também é conhecido como o preço que um investidor racional está disposto a pagar por um investimento, dado seu nível de risco.

Sob a abordagem de value investing, o primeiro passo é identificar o valorintrínseco” ou verdadeiro de uma empresa, com base em todos os aspectos do negócio. Os investidores só decidem comprar quando este valor intrínseco for  maior que o preço atual de mercado – a diferença é a margem de segurança. Quanto maior essa margem, menor o fator de risco. 

O valor intrínseco é definido como o valor líquido de todos os fluxos de caixa futuros, esperados para a empresa. Este valor pode ser calculado através de uma análise do fluxo de caixa descontado.

Pela sua lógica, ao comprar uma ação com base em seu valor intrínseco, bastaria esperar o preço de mercado convergir para seu valor justo.

Assim, a melhor coisa a se fazer seria montar uma alocação de ativos diversificando entre ações e renda fixa. Tudo para mitigar os riscos de se errar na avaliação ou os humores do mercado acionário.

Uma de suas grandes preocupações era a necessidade de se evitar perdas e, principalmente, de trabalhar a disciplina emocional do investidor.

Para Graham, “as perdas realmente assombrosas sempre ocorrem depois que o comprador esqueceu de perguntar o preço”.

Fórmula de Benjamin Graham para Calcular o Valor Intrínseco de uma Ação

Vamos entender a matemática por trás dessa fórmula, e a lógica que Graham utilizava para encontrar o valor intrínseco, ou valor justo.

Valor Intrínseco = a raiz quadrada de 22.5 X o lucro por ação X o valor patrimonial da ação.

Como calcular o valor intrínseco de uma ação

Critério utilizado por Graham, com base em duas análises;

  • O preço de uma ação nunca deve ser 15 vezes maior do que o lucro gerado nos últimos 3 anos. 
  • O preço por ação, quando comparado ao valor patrimonial, não deve ser maior que 1,5.

Sendo assim, 15 x 1,5 = 22,5.

O número final é, teoricamente, o preço máximo que um investidor defensivo deve pagar por uma determinada ação. De uma forma mais simples, uma ação com preços abaixo desse valor é considerada de bom valor, se ela atender a uma série de outros critérios.

 

Em The Intelligent Investor, Graham teve o cuidado de incluir uma nota de rodapé, de que esta fórmula não estava sendo recomendada para uso pelos investidores – ao contrário, era para modelar os resultados obtidos de outras fórmulas de crescimento, muito populares na época.

Benjamin Graham – O Conceito de Margem de Segurança

Esse tópico é o conceito central da filosofia de investimentos da análise fundamentalista:

Uma verdadeira margem de segurança é aquela que pode ser demonstrada por números, por raciocínio lógico, e por experiência própria.

Para encontrar nossa margem de segurança, o investidor precisa, em primeiro lugar, selecionar uma boa empresa, de preferência de primeira linha, com as seguintes características:

  • A perspectiva geral de longo prazo da companhia;
  • A qualidade da sua administração (ótima gestão);
  • Lucro crescente (média dos 3 anos do começo e dos 3 anos do fim deste período);
  • Estrutura de capital. O ideal é que a dívida de longo prazo seja inferior a 50% do capital social total;
  • Histórico de dividendo e taxa atual.

Depois, fazemos um cálculo matemático do valor intrínseco daquela ação para calcularmos a taxa de crescimento esperada.

A essência da margem de segurança é tornar mais provável sua chance de ganhar do que de perder.

Uma de suas principais dicas é comprar uma empresa por um valor abaixo de 2/3 de seu valor líquido.

Isso significa comprar com ações cujo preço seja inferior ao seu capital circulante líquido, ou seja, que estão valendo menos que seu capital de giro (diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante da empresa).

Benjamin Graham – Diversificação

A diversificação é um elemento importante para qualquer investidor. Ela é a margem de segurança para sua carteira como um todo.

Em primeiro lugar, colocamos as chances a nosso favor, exigindo uma margem de segurança em cada investimento individual. No entanto, independentemente de quanto nos saímos bem, alguns não vão corresponder às nossas expectativas. Ter um amortecedor de segurança melhora nossa probabilidade, mas alguns investimentos ainda acarretarão em perdas.

A ideia de diversificação é que os ganhos combinados serão muito maiores do que as perdas. Quanto mais oportunidades encontrarmos, que atendam nossas exigências de segurança, maior será a probabilidade de que a carteira tenha ganhos acima da média. Portanto, a diversificação é uma parte essencial do investimento inteligente.

Sua paixão provavelmente aumentou para aprender mais com o pai do investimento de valor. Eu recomendo que você tenha  uma cópia de The Intelligent Investor – Há tanta sabedoria e aplicações práticas que você ficará impressionado.

Como desenvolver uma fórmula de investimento

Um conselho comum entre os profissionais do pôquer é este: deixe suas emoções em casa. O dinheiro é um jogo de números. Requer lógica, não sentimentos.

Para se desapegar e reduzir o estresse emocional do investimento, Benjamin Graham desenvolveu um conjunto de fórmulas rígidas. Algumas delas o ajudaram a avaliar empresas, outras a administrar seu dinheiro, como a média dos custos em dólares.

A média dos custos em dólares, significa que você estabelece um orçamento fixo que irá investir em intervalos constantes. A cada semana, mês ou semestre, você investirá mais nas ações que você acredita serem valiosas, não importa o preço.

Por exemplo, estabeleça que todo mês, você irá transferir 10% da sua renda para uma corretora de valores. Com esse dinheiro, você irá comprar ações e adicionar à sua carteira de investimentos.

Emocionalmente falando, pode ser um pouco fatigante ter que separar uma parte da renda para investir. Porém, é mais fácil do que se preocupar constantemente com quanto investir, quando, por quê e em quê.

Desenvolva uma fórmula de investimento e permaneça fiel a ela. É uma ótima maneira de se proteger contra perdas – e tanto Buffett quanto Graham acreditam que esse é o segredo do sucesso.

Benjamin Graham e o Senhor Mercado

No capítulo 1 do livro “The Intelligent Investor”, Benjamin Graham esclarece as diferenças entre o “investidor” e o “especulador”.

Neste capítulo, de forma magistral ele consegue definir o termo investir:

Uma operação de investimento é aquela que, após análise profunda, promete a segurança do principal e um retorno adequado. As operações que não atendem a essas condições são especulativas.

Uma das belezas desse conceito é a preocupação com a questão de preservar o dinheiro conquistado (o principal), equilibrando os riscos de investir em ações, com o lucro que elas possibilitam (retorno adequado).

Tão importante quanto essa “consciência”, de que o mercado acionário está sujeito a perdas, é estar preparado psicologicamente para quando o Sr. Mercado surta e os preços derretem.emoções mo mercado financeiro

Portanto, por melhor que sejam suas escolhas, uma hora sua carteira sofrerá perdas decorrentes das oscilações normais (e anormais) do mercado.

A questão é, o quanto você conseguirá limitar essas perdas em momentos de pessimismo injustificável do mercado.

Para Graham, o investidor inteligente deve ser um “realista”: vender para os otimistas e comprar dos pessimistas.

Um alerta sobre a especulação

Para não dizer que deturpam as palavras de Graham, quero destacar que ele não “demoniza” a especulação.

Entretanto, ele faz algumas importantes ressalvas:

  •  Arriscar mais dinheiro na especulação do que você tem condições de perder não é nada inteligente. É rasgar seu dinheiro;
  • Quer especular? Tudo bem. Porém, separe uma pequena parte do seu capital (numa conta específica) para essa finalidade.

Dessa forma, você consegue sanar sua vontade de especular através de um pequeno fundo especulativo, protegendo 95% de seu patrimônio.

A diferença entre investidor e especulador

Para Graham é importante separar dois tipos de pessoas que procuram investir na bolsa de valores;

  • O especulador é aquela pessoa que hoje opera no day trade, ou swing trade. Ele entra na operação por acreditar que o preço está barato, portanto ele observa uma possibilidade de vender as ações, assim que lhe retornarem algum lucro.
  • O investidor procura descobrir dentro de um setor específico, uma boa empresa. Um negócio que ele pode ser sócio e obter dividendos, bonificações, subscrição, enfim, ser sócio da empresa e poder acompanhar o crescimento dela.

Você é um investidor defensivo ou agressivo?

Um detalhe que passa despercebido em muitos artigos que falam sobre os métodos de Benjamin Graham, é que suas recomendações são direcionadas para duas categorias de investidores:

Investidor defensivo (ou passivo)

Para esses, a alocação de ativos deve ser feito meio a meio, entre renda fixa e ações. Ou, uma proporção que varia entre um mínimo de 25% e um máximo de 75% de qualquer um desses ativos (ações ou obrigações).

O investidor defensivo deve considerar ter a sua parcela de ações através de fundos de investimentos sólidos.

Agora, se ele “teimar” em montar sua carteira de ações, nada melhor do que aplicar o bom e velho “custo médio em dólares” (dollar cost averaging).

Investidor agressivo (ou empreendedor)

Esse cara simplesmente tem a audácia de buscar resultados acima da média. Basicamente, Graham não recomenda estas três abordagens especulativas:

  • Negociar o mercado;
  • Seletividade de curto prazo;
  • Seletividade de longo prazo.

Então, o que ele recomenda para o investidor agressivo? Ele aborda pelo menos quatro estratégias específicas:

  • Comprar em mercados de baixa e vender em mercados de alta;
  • Comprar, com cuidado, “growth stocks” – ações de crescimento – cuidadosamente selecionadas;
  • Comprar ações subvalorizadas de diversos tipos;
  • Comprar em “situações especiais”.

Só pela leitura das operações acima, conclui-se que ser um investidor ativo, na verdade, é para poucas pessoas com disposição (e muita fé) para vencer o mercado.

A seguinte afirmação do saudoso mestre deixará bem claro a seriedade de optar-se pela via do investimento empreendedor:

O investidor ativo deve ter um conhecimento considerável de quanto valem os valores mobiliários, suficiente, na verdade, para justificar encarar suas operações de investimento como equivalentes a um negócio empresarial.

Benjamin Graham e Suas Obras

Nome Completo Benjamin Graham
Local de Nascimento Londres, Inglaterra
Data de Nascimento 08 de Maio de 1894
Data de Falecimento 21 de Setembro de 1976
Contribuições Security Analysis (1934)

O Investidor Inteligente

Fórmula de Benjamin Graham

Value Investing

Seguidores Famosos

Warren Buffett

John Templeton

Benjamin Graham foi considerado o Einstein dos investimentos e para muitos o precursor da famosa estratégia buy and hold de investimentos no mercado acionário. 

De 1936 até 1956, ele conseguiu um retorno extraordinário de pelo menos 14,7% por ano, contra 12,2% do mercado de ações como um todo.

Segundo Jason Zweig, esse pode ser considerado um dos melhores desempenhos de longo prazo – isso é importante – da história de Wall Street. Ele foi o mentor de mega investidores como Walter Schloss, Irvin Kahn e Warren Buffett.

o investidor inteligente benjamin graham
o investidor inteligente benjamin graham

Benjamin Graham nasceu em Grossbaum, Londres, Reino Unido em 1894. Ainda muito novo, sua família acaba se mudando para os Estados Unidos. Em 1907 sua família perdeu todas as suas economias devido ao Bank Panic ( A derrocada financeira que ficou conhecida como pânico dos banqueiros. Uma crise econômica nos Estados Unidos marcada pela queda de quase 50% da bolsa de valores de Nova Iorque).

Após superar a morte de seu pai e uma situação de grande pobreza, Graham consegue uma bolsa de estudos na Universidade de Columbia. Após se formar com louvor, ele aceita um emprego em Wall Street e aos 25 anos de idade chegava a ganhar US $500.000 por ano. Em 1929 ele acaba perdendo quase todos os seus investimentos durante o crash da Bolsa de Valores.

Esse revés o leva a escrever, junto com David Dodd, um apanhado de suas observações sobre o mundo dos investimentos chamado Security Analysis.

Lançado em 1934, esse livro é a Bíblia do Buy and Hold e é um dos livros mais importantes da análise fundamentalista.

Ele propõem uma definição clara sobre investimentos que se distinguia do que ele próprio considerava especulação;

Uma operação de investimento é aquela que, após análise minuciosa, promete segurança do capital e um retorno financeiro adequado. As operações que não atendem a esses requisitos são especulativas.

Porém sua grande obra viria anos mais tarde, quando em 1949 ele escreveu o livro: O Investidor Inteligente

The Intelligent Investor

The Intelligent InvestorLivro Security Analysis de Benjamin Graham

Ben Graham foi o criador de um método ou abordagem que partia da análise dos balanços patrimoniais e dos fluxos de caixa da empresa para saber se uma ação está cara ou barata.

Baseado nesses dados, Graham escolhia as ações mais “castigadas” pelo mercado, aquelas que mais se desvalorizaram (preço) em relação ao valor de seus ativos (e/ou lucros).

Nas palavras do próprio Warren Buffett, depois do próprio pai, Graham foi o homem que mais influenciou sua vida. Em uma entrevista ele disse:

Se eu não tivesse lido esse livro, em 1949, eu teria tido um futuro diferente.

Qualquer pessoa que deseja investir na bolsa de valores de forma inteligente, deve conhecer a filosofia de Benjamin Graham sobre esse fascinante mercado.