Aprendendo a Investir Com as Cartas de Warren Buffett

Se há uma coisa de que Warren Buffett não pode ser acusado é de egoísmo. Um dos investidores mais bem sucedidos do planeta, Buffett não hesita em ensinar a outros investidores seus princípios de investimento.

Seja em entrevistas concedidas para a televisão americana, seja nas assembleias anuais dos acionistas de sua empresa, a Berkshire Hathaway, Buffett sempre remete aos princípios que segue ao escolher um investimento.

Mas uma das principais maneiras pelas qual Warren Buffett ensina sua metodologia aos interessados é por meio das cartas anuais da Berkshire Hathaway (B.H.). E há duas excelentes obras em português que sistematizam os ensinamentos do oráculo de Omaha em seus relatórios.

As cartas e os Ensaios de Warren Buffett: Lições Para Investidores e Administradores

As cartas anuais da B.H., escritas por Warren Buffett, são uma fonte de conhecimento inestimável para o investidor. O problema é que, embora todos os relatórios anuais da empresa estejam disponíveis (desde 1977), eles são muito pouco organizados. São várias as temáticas abordadas em cada relatório, o que pode desanimar um investidor que não tenha um instinto de garimpeiro para sistematizá-las e organizá-las de maneira mais didática.

A boa notícia é que você não precisa fazer isso, pois Lawrence Cunningham, com a autorização do próprio Warren Buffett, já fez todo o trabalho – ao menos até 2001, quando o livro foi publicado.

Partindo do pressuposto de que as cartas de Buffett eram insuficientemente divulgadas na época, e de que elas tinham um valor não reconhecido, Cunningham trabalhou com afinco e organizou as cartas a partir de vários temas: governança corporativa; investimentos e finanças corporativas; alternativas para as ações ordinárias; ações ordinárias; fusões e aquisições; contabilidade e avaliação; e política contábil e questões tributárias.

Leia também…

Nova carta de Warren Buffett: resultado 2020 da Berkshire Hathaway

Por Eduardo Guimarães

The Essays of Warren Buffett: Lessons for Investors and Managers

Livro sobre as cartas de Warren Buffett

O texto aborda não apenas bons ensinamentos para quem pretende investir, mas também boas práticas administrativas para as próprias empresas.

Se Warren Buffett nunca escreveu um livro, este pode ser considerado uma obra escrita pelo próprio Buffett; afinal, o livro é apenas uma organização temática das cartas do investidor. Mas isso não significa que Cunningham não fez nada.

O livro conta com uma introdução escrita por ele, que é um excelente resumo da abordagem de Buffett para investir, além de revisar alguns conceitos importantes para quem quer aprender a investir.

Além disso, também vale a pena ler a apresentação do texto por Rui Rebouças, que recebeu autorização do próprio Warren Buffett para traduzir a obra para o português.

Os conselhos de Warren Buffett: o guia essencial de todo investidor

Se o livro de Cunningham já está um pouco datado, e precisa ser atualizado com as cartas de Warren Buffett escritas de 2001 para cá, a leitura desta segunda obra, escrita por L. J. Rittenhouse, poderia ser considerada um excelente resumo das cartas dele, incluindo as mais recentes.

A primeira parte do livro é importante para qualquer investidor, mesmo para quem não tem interesse pela abordagem de Warren Buffett. Ele é um manual para ler relatórios anuais de uma empresa, e mostra as principais virtudes e deficiências de quem normalmente as escreve.

E, após descrever o que normalmente os Diretores executivos das empresas fazem, explica-se porque as cartas de Warren Buffett diferem – além de serem as mais longas, são dirigidas diretamente ao investidor médio, escritas como uma carta pessoal (segundo Warren, ele as escreve como se estivesse se dirigindo a suas irmãs, Bertie e Doris).

Os conselhos de Warren Buffett

As partes seguintes do livro se dedicam a destrinchar os princípios de investimento adotados por Buffett e que são expressos em suas cartas anuais. 

A primeira seção da segunda parte explicita os “conselhos” de Buffett para escolher empresas administradas por excelentes gestores, que teriam, segundo o livro, as seguintes qualidades:

  • Preservam o caixa da empresa;
  • Aliam sua retórica ao desempenho apresentado ao longo dos anos;
  • Cultivam uma boa cultura empresarial;
  • Consideram as perdas quando analisam os riscos;
  • Confessam seus erros;
  • São disciplinados e fortalecem a condição competitiva de suas empresas.

A segunda seção da segunda parte do livro é a mais importante para o investidor. Ela explicita os “conselhos” de Warren Buffett para garantir melhores resultados nos investimentos. Entre eles, destacam-se os seguintes:

  • Trate o pessimismo do mercado como um amigo;
  • Compre mercadoria de qualidade quando ela está com preço baixo;
  • Compre uma casa que se enquadre no seu padrão de renda;
  • Domine a linguagem dos negócios.

Há outros conselhos, mas acredito que esses são os mais importantes.

A terceira parte do livro é dedicada aos princípios do capitalismo do Século XXI (e que já são seguidos há um bom tempo por Buffett): visão de longo prazo e honestidade resumem bem a maioria dos princípios.

O livro tem leitura agradável e explicita bem os conceitos de investimento e administração, propostos por Buffett. Só penso que o texto poderia ser melhor desenvolvido, com maior explicitação dos pontos destacados. Mas, é uma boa obra para quem está começando e pretende aprender um pouco sobre as estratégias de Warren Buffett.